Statement

11 Outubro 2017: Dia Internacional da Rapariga

11 October 2017
Drª Natalia Kanem, Directora Executiva do UNFPA e Subsecretária Geral das Nações Unidas

As raparigas hoje desfrutam de melhores perspectivas de vida do que as gerações anteriores de muitas maneiras. A prosperidade e a nutrição têm melhorado, o casamento infantil e a gravidez na adolescência estão em declínio, e o nível de escolaridade das mulheres e a participação na força de trabalho estão em crescimento.

No entanto, esses avanços estão longe de ser universais e são cada vez mais ténues em muitas partes do mundo. Os mais pobres - particularmente as raparigas - são muitas vezes deixadas para trás e seus direitos são prejudicados.

Elas recebem menos educação, têm menos oportunidades e são mais propensas a assumir empregos que pagam menos e envolvem mais riscos do que as raparigas economicamente melhores posicionadas. Além das forças sociais contra elas, as raparigas continuam a enfrentar altos níveis de violência baseada no género, gravidez indesejada e partos inseguros. Uma em cada quatro raparigas será casada antes dos 18 anos, e uma em cada cinco adolescentes de 15 a 19 anos dará à luz.

As desigualdades de género enraizadas, desastres e conflitos podem tornar pior a situação das raparigas. Elas e suas famílias, lutam para sobreviver, ficam com poucas escolhas, colocando as raparigas ainda mais vulneráveis ao casamento infantil, violência sexual e de género, incluindo tráfico, estupro e escravidão sexual. Elas enfrentam a cruel realidade dos riscos aumentados para a saúde sexual e reprodutiva e diminuem o acesso a cuidados de saúde críticos.

O UNFPA, Fundo das Nações Unidas para a População, trabalha para garantir que as raparigas sejam saudáveis, fortalecidas e, portanto, mais resilientes diante das crises e na reconstrução de suas sociedades.

Apesar desses desafios, muitas raparigas conseguem desempenhar um papel crucial em suas casas e comunidades, mesmo em crises. Elas são muitas vezes as principais responsáveis na prestação de cuidados de suas famílias e estabelecem redes que produzem o capital social e a resiliência que as comunidades precisam para sobreviver. Proteger e promover seus direitos, saúde e bem-estar é, portanto, um elemento essencial na preparação da resposta à crise, e na recuperação eficaz.

O UNFPA, Fundo das Nações Unidas para a População, trabalha para garantir que as raparigas sejam saudáveis, fortalecidas e, portanto, mais resilientes diante das crises e na reconstrução de suas sociedades. O UNFPA apoia o desenvolvimento de programas mais inclusivos de saúde, educação e capacitação adequada à faixa etária e de  e género, muitas vezes liderados por raparigas, e melhoram as vozes destas ao nível da comunidade.

Com a criação de espaços seguros, o fornecimento de informações e serviços de saúde sexual e reprodutiva, para facilitar a liderança e a participação da juventude, nós e nossos parceiros inovamos para alcançar, engajar e capacitar as adolescentes e garantir que respondamos não apenas às suas necessidades, mas às suas aspirações.

Como parte dos objectivos transformadores do UNFPA, continuaremos a trabalhar com nossos parceiros para acabar com a violência contra as raparigas, incluindo o casamento infantil e a mutilação genital feminina. Trabalharemos para garantir que todas as raparigas, em todos os lugares, desfrutem do alcance de todos os direitos e tenham as oportunidades que precisam para atingir seu potencial.

Hoje e sempre, capacitemos as raparigas, antes, durante e depois das crises para construir futuros melhores para elas e suas comunidades.