Notícias

Angola : Juventude angolana requer investimento de ordem social - diz UNFPA

2 June 2017
Florbela Fernandes, Representante do UNFPA em Angola, prestando declarações a imprensa após formalização do estabelecimento do comité técnico multisectorial

Luanda - A juventude angolana constitui um grupo heterogéneo que requer investimentos de ordem económica, educacional, politico e social baseados nas necessidades colectivas e na diversidades, resultante das determinações sociais, frisou hoje, sexta-feira, em Luanda, a representante do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), Florbela Fernandes.

A responsável fez esta consideração durante um encontro sobre a proposta para a reunião multisectorial no âmbito do Projecto da Juventude Informada Responsável Organizada ”JIRO” .

Florbela Fernandes disse que a abordagem multisectorial permite uma maior e melhor harmonização, coordenação e operacionalização de políticas, estratégias e programas em prol da juventude angolana

“Acreditamos que dificilmente progressos sociais e económico poderão ser obtidos nos próximos anos sem a efectivação e ampliação dos direitos e das oportunidades dos jovens.  Assim, a promoção da agenda da juventude constitui uma obrigação moral, uma necessidade social, económica e politica.

Garantiu que o UNFPA está ciente de que a juventude está a moldar, tanto o futuro como o presente da humanidade e, portanto, defende que o pleno potencial de cada pessoa jovem deve ser alcançado.

Referiu que o programa JIRO e o compromisso ministerial sobre a educação sexual abrangente da África Oriental e Austral buscam ajudas, visando contribuir para o desenvolvimento saudável, harmonioso e responsável dos adolescentes e dos jovens.

Assim, decisões estratégicas devem ser tomadas para que a construção da prosperidade, da paz e do desenvolvimento sustentável seja uma realidade.

O estabelecimento do comité técnico, com a participação dos sectores da saúde, educação , família e promoção da mulher e comunicação social, complementa os avanços dados pelo Executivo angolano na área da juventude.

Fonte: ANGOP