Notícias

Espaços amigáveis para as mulheres oferecem refúgio seguro para refugiados congoleses em Angola

16 Janeiro 2018
Kiena Odette, Musito e outras meninas participam de actividades educativas e recreativas no espaço de mulheres apoiado pelo UNFPA. © UNFPA / Tiril Skarstein

LOVUA, Angola - Em uma simples tenda branca no assentamento de refugiados de Lóvua em Angola, mulheres e meninas que fugiram do brutal conflito em Kasai, na República Democrática do Congo, podem encontrar refúgio seguro e apoio.
A tenda é um dos dois espaços amigáveis para mulheres que o UNFPA criou no assentamento. Esses espaços oferecem às mulheres e meninas um lugar seguro para conversar, receber informações e participar de actividades recreativas.

"Quando eu participo das actividades aqui, esqueço-me das minhas preocupações e das lembranças do Congo por um tempo", disse Musito, de 17 anos.

Musito é parte dos 35 mil refugiados do Kasai que fugiu para a província de Lunda Norte em Angola.
Fugiu do conflito em abril, quando homens armados chegaram à sua aldeia. "Quando saímos, encontramos cinco corpos decapitados na nossa casa", lembrou.

"Nós fugimos o mais rápido que pudemos, com apenas nossas roupas em nossas costas." Ela chegou à fronteira angolana no mesmo dia, com os seus pais e irmãos.

Violência contra as mulheres

Os horrores que os refugiados experimentaram são extremos. Muitos viram seus familiares mortos, testemunharam decapitações ou mutilações, ou tinham sua propriedade queimada. A violação também foi amplamente reportado.

Musito testemunhou horrores em Kasai. © UNFPA / Tiril Skarstein

Mas a vulnerabilidade dos refugiados não termina depois que eles deixam a área do conflito. Os riscos para mulheres e meninas escalam durante crises humanitárias - mesmo em campos de refugiados e assentamentos  à medida que as redes de segurança social e os mecanismos de proteção se desintegram.

Os especialistas dizem que houve relatos de violência de genero entre os refugiados em Angola.

"O número de casos de violência sexual e de genero é muito preocupante, e tememos que esta seja apenas a ponta do iceberg, já que muitos casos nunca são relatados", disse Florbela Fernandes, representante do UNFPA em Angola.
"Esta violência compromete a saúde e os direitos das mulheres, e é necessário fortalecer o trabalho preventivo e a capacidade de atender às necessidades dos sobreviventes", acrescentou.

Um espaço para aprender, brincando

Em Lovua, um assentamento a cerca de 100 quilometros da fronteira, 15 refugiados foram contratados e treinados como mobilizadores sociais, que trazem mulheres e jovens ao espaço e prestam serviços.

A funcionária do programa do UNFPA, Filipa Gouveia, e mobilizadores sociais treinados localmente ensinam os jovens sobre sua saúde sexual e reprodutiva. © UNFPA / Tiril Skarstein

"Neste lugar, há muitas mulheres com muitas preocupações", disse Monique Kapinga, 31, uma das mobilizadoras.

Ela e seus colegas oferecem sessões de informação sobre saúde sexual e reprodutiva e encaminham refugiados para serviços médicos quando necessário. Os mobilizadores também aumentam a conscientização sobre direitos humanos dos refugiados a viverem livres de violência e ajudam a conectar os sobreviventes da violência baseada no gênero aos serviços de apoio.

Existem também actividades educativas e recreativas.

Num sábado recente na tenda, Musito e cerca de 80 outros adolescentes estavam dançando e apresentando cenas. Uma vez por semana, a barraca é dedicada a atividades para adolescentes, um grupo muitas vezes negligenciado em emergências humanitárias.

"Estou feliz em poder participar de algumas actividades. Não há muito a fazer no assentamento ", disse Musito.
"Eu frequento alguns cursos de português", explicou Kiena Odette, de 18 anos. "Além disso, não há muito a fazer aqui".

Aproximadamente 2.000 mulheres e meninas foram atingidas pelos espaços amigáveis para mulheres e esforços de mobilização social em Lóvua.

O UNFPA também está a apoiar o Departamento Provincial de Saúde, no treinamento de  enfermeiros e outros profissionais de saúde na abordagem dos sobreviventes de violência sexual e de género e fornecer cuidados de saúde reprodutiva.

Mas é preciso fazer mais

Os respondentes humanitários dizem que estão preocupados com a vulnerabilidade das mulheres e das raparigas à violência e à exploração. Também há preocupações sobre o casamento infantil - que foi generalizado mesmo antes da crise - se tornam um mecanismo de enfrentamento entre famílias cada vez mais vulneráveis.

As actividades ao sábado são dedicadas a adolescentes. © UNFPA / Tiril Skarstein

"Há necessidade de actividades mais dedicadas para os jovens no assentamento, para evitar que os jovens caíam nas drogas ou sexo transacional e para combateros  casamentos infantis", disse Fernandes.