Notícias

Governante reitera apelo de ajuda aos refugiados da RDC no país

22 August 2017
Ministro da Assistência e Reinserção Social, Gonçalves Muandumba, e Representante do UNFPA, Florbela Fernandes, durante o acto de entrega dos Kits de Saúde Reprodutiva

Luanda - O ministro da Assistência e Reinserção Social, Gonçalves Muandumba, reiterou, hoje, quarta-feira, em Luanda, o apelo de ajuda humanitária da comunidade internacional, igrejas e sociedade em geral para com os 30 mil Refugiados da República Democrática do Congo (RDC) acolhidos recentemente em Angola.

O governante expressou o pedido de ajuda aos jornalistas, pouco depois de ter recebido, de forma simbólica, um kit de material de saúde reprodutiva, entregue pela representante do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) em Angola, Florbela Fernandes.

O kit de material de saúde reprodutiva  faz parte de três mil kits diferentes preparados para recém-nascidos, crianças, jovens e mulheres para assegurar a higiene e maternidade segura.

“Apelo à Comunidade Internacional, Igrejas e outros para que se juntem a essa onda de solidariedade como fez o FNUAP”, disse o titular do Minars, para quem a importância do kits reside no facto de75 porcento ser para mulheres e  outra percentagem para crianças.

Antes da recepção simbólica do kit de material de saúde reprodutiva,  o ministro Gonçalves Muandumba informou haver engajamento total do Governo angolano no apoio aos refugiados da RDC no município do Lóvua, província da Lunda Norte, ressaltando que parte dos bens doados já foram canalizados para os beneficiários.

Salientou que decorre a transferência dos refugiados do Dundo e de Cacanda para Lóvua, onde todos vão ficar num novo centro. Garantiu haver no local uma "vigilância muito cerrada" no sentido de proteger as crianças contra eventuais abusos como raptos e abusos sexuais.

Por outro lado, a representante do FNUAP em Angola, Florbela Fernandes, considera que o donativo  é uma contribuição para que os partos possam ser feitos de forma segura, assim como estão disponíveis  brochuras com informações sobre a prevenção do VIH/SIDA.

Salientou que o gesto do seu organismo é uma demonstração de boa vontade na resposta humanitária para com os refugiados da RDC.