Notícias

Refugiados Congoleses em Angola beneficiam de energia solar

9 January 2018
Ester and her familly
Ester e seus filhos fugiram a violência na região do Kasai na República Democrática do Congo. Chegaram até o assentamento de Lóvua no nordeste de Angola. © UNFPA / Tiril Skarstein

LOUVA, Angola - Desde o início da violência na região do Kasai da República Democrática do Congo no início deste ano, cerca de 35 mil refugiados vieram para a província de Lunda Norte.

A população é altamente vulnerável. Cerca de 75 por cento dos refugiados de Kasai são mulheres e crianças, de acordo com relatórios da ONU. Muitos refugiados relataram testemunhar assassinatos em massa, violações e outros abusos dos direitos humanos quando escaparam das zonas de conflito.Ester, 25, relatou a turbulência de sua partida. "Foi o dia em que a guerra chegou à nossa aldeia. Estavam a matar pessoas. Eu não consegui levar nada comigo, apenas meus filhos ", disse ela.

Yuzo Kitamoto, representante adjunto da Agência de Cooperação Internacional do Japão em Angola, demonstra uma unidade de luz movida a energia solar em uma barraca médica administrada por Médicos del Mundo. © UNFPA / Tiril Skarstein

Grupos humanitários tem trabalhado para transferir muitos dos refugiados do centro de recepção de Cacanda para um novo assentamento em Lóvua.

A nova localização permite que os refugiados tenham uma certa privacidade e espaço para a agricultura, mas não está conectado a uma rede elétrica, de modo que os refugiados são deixados na escuridão total quando o sol se põe - um problema de segurança.

A família de Ester foi alojada recentemente no assentamento. "Estamos a viver no mato. Não tenho luz e sem luz. Isso me faz sentir medo ", disse ela. "Por exemplo, não há luz para que possamos ir a casa de banho durante a noite".

A escuridão traz riscos

Em todo o mundo, mulheres e meninas relatam serem ameaçadas ou assaltadas ao sair de casa durante a noite para se aliviar ou administrar sua higiene menstrual. Estes riscos são elevados em situações de crise, quando as redes de segurança social, a aplicação da lei e outros mecanismos de proteção se decompõem.

O UNFPA também está distribuir tochas alimentadas por energia solar, parte dos kits de dignidade, contêm guardanapos sanitários, roupas íntimas, sabões, escovas de dentes e outros itens de higiene. © UNFPA / Tiril Skarstein

A escuridão também apresenta outros riscos. As mulheres que entram em trabalho de parto à noite, por exemplo, podem ter problemas para chegar a clínicas ou serem devidamente tratadas sem uma fonte de luz confiável.

"A luz é importante para ajudar a manter a segurança e os direitos das mulheres e adolescentes durante a noite", disse Florbela Fernandes, representante do UNFPA em Angola.

Raio de sol portátil

O UNFPA tem trabalhado com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) para fornecer 50 unidades de energia solar para centros comunitários, instalações médicas e outros espaços comunais no assentamento de refugiados de Lóvua. 

As unidades, doadas pela JICA e pela Panasonic, consistem em um painel solar, três lâmpadas LED e uma bateria recarregável que também pode ser usada para carregar telefones celulares.

Gracia e Rose, de 15 anos, recebem kits de dignidade em Lóvua. © UNFPA / Tiril Skarstein

"Esperamos que essas lâmpadas solares possam ser instaladas em instalações públicas para poder ampliar os serviços e fornecer luz no escuro", disse Yuzo Kitamoto, vice-representante da Agência de Cooperação Internacional do Japão em Angola, após uma visita a Lóvua em dezembro.

Mulheres e meninas que chegam a Lóvua também tem recebido tochas alimentadas por energia solar, parte dos kits de dignidade que são parte padrão da resposta humanitária do UNFPA. Cerca de 2.000 kits de dignidade - que contêm itens de higiene como sabão, roupa interior e guardanapos sanitários - foram distribuídos, sendo que mais kits estão a caminho.

O UNFPA também está em parceria com a Agência de Refugiados da ONU para entregar luzes de rua solares ao assentamento. E em parceria com a Médicos del Mundo, o UNFPA criou espaços amigáveis para as mulheres, onde mulheres e meninas podem descansar, socializar e aprender onde receber serviços de saúde reprodutiva e ajudar os sobreviventes de violência de gênero.

Quanto a Ester, ela está determinada a avançar. "Espero uma boa vida com minha família aqui em Angola", disse ela. "Estou com muito medo de voltar agora".