You are here

Programa “Ser Menina em Angola” promove higiene menstrual em Angola

De acordo com os estudos realizados no país, em média, uma em cada cinco meninas revelou ter faltado à escola por causa da menstruação, durante o último ano. 

Em Angola 75% das raparigas frequentam o ensino primário, este número cai para 15,5% no ensino secundário, quando a média das raparigas têm o seu primeiro período menstrual, sendo a falta de acesso adequado a produtos de higiene íntima, um dos principais factores às altas taxas de abandono escolar.

Parceiros institucionais do UNFPA em Angola, de vários sectores do Governo e da Sociedade Civil distribuíram, entre Dezembro do ano passado e Janeiro último, 2000 calcinhas de menstruação e 2000 relógios menstruais a jovens de Luanda, Huambo, Lunda Sul e Huíla. Os materiais foram doados durante palestras sobre higiene menstrual, onde 27 formadores das Organizações Parceiras capacitados pela organização Be Girl, transmitiram também a importância de acabar com mitos, tabus e preconceitos à volta do tema, partilhando materiais educativos e utilizando o método educacional baseado em Ciclos de Empatia, que permitiu aos adolescentes perceber melhor o ciclo menstrual, rumo à equidade de género. O projecto “Ser Menina em Angola” avança agora para mais três províncias (Cuanza Sul, Benguela e Moxico). 

 

                  Kulau Timóteo, 16 anos, com o relógio menstrual a volta do pescoço e a calcinha BeGirl às mãos, enquantoparticipava

de uma iniciativa de gestão menstrual dirigida pelo UNFPA e BeGirl na província de Luanda, Angola. 

© UNFPA Angola / K. Karlos Cesar

 

Natércia Feliciano é uma adolescente moradora do distrito do Rangel, em Luanda, no seu bairro ela e outras meninas tinham muita dificuldade de acesso aos produtos de higiene íntima. Agora, a voz da Natércia é alegre. Com 12 anos, a estudante da 6ª classe entende melhor as mudanças aceleradas do seu corpo. Se antes a menstruação era um bicho de sete cabeças, depois de participar nas palestras facilitadas pelos formadores das instituições do Governo e Sociedade Civil parceiras do UNFPA, as dúvidas dissiparam-se. “Nessas conversas aprendi muita coisa que não sabia. Aprendi o que é a puberdade, a ovulação, a menstruação ou a menstruação irregular”, conta a menina. As duas cuequinhas de menstruação da ``Be Girl” que recebeu transformaram-lhe a vida, “agora sinto-me muito bem”, assegura a adolescente.

Com a segurança de quem sabe do que fala, a jovem Januária Lourenço Felipe, de 14 anos, também conta que passar pela menstruação é agora muito menos complicado. “Antes das palestras eu não conseguia fazer muitas coisas, como educação física, e sentia-me aflita quando conversava com os rapazes. Mas agora é muito diferente, quando menstruo já consigo fazer exercício e ter contacto normal com os meninos”. Decidida e firme, apenas faz um pedido: “Gostei muito da cuequinha da Be Girl, mas há meninas com o corpo mais cheio a quem não lhes serviu, por isso tem que haver números maiores e mais pequenos, porque todos os corpos são diferentes”.

Januária faz parte da percentagem importante de meninas, dos 86%, que passaram a entender a relação entre menstruação e reprodução durante as sessões.

Entre as mil meninas com idades entre 10 a 16 anos que participaram nas 47 palestras nas províncias de Luanda, Huambo, Lunda Sul e Huíla, os técnicos identificaram casos de risco e de gravidezes precoces. Realidades difíceis que reforçam a importância das adolescentes conhecerem o próprio corpo. 

Em Angola, 57% das mulheres com idades compreendidas entre os 15 e 19 anos, que não concluíram nenhum nível de escolaridade, já iniciaram a sua vida reprodutiva, o que é mais do dobro das mulheres com ensino secundário e superior (24,8%).

Criando Ciclos de Enpatia 

Na primeira fase do programa, mil adolescentes do sexo masculino participaram nas palestras “Criando Ciclos de Empatia”. A par destas sessões com raparigas e rapazes, o programa “Ser Menina em Angola” trabalha na recolha de dados que permita conhecer melhor a percepção de jovens de todo o país sobre a menstruação. Através da iniciativa SMS Jovem, o programa lançou o “Inquérito sobre Saúde Menstrual”. As mais de 4328 respostas recebidas de todo o país, sobretudo Luanda, Huambo e Huíla, demonstram que 83% das jovens adolescentes participantes sabiam pouco ou nada sobre o ciclo menstrual, antes da sua primeira menstruação. Hoje a maioria sente-se já confortável com o tema, considerando-o algo normal. Ainda assim, quase 80% das participantes, a maioria raparigas entre os 15 e 30 anos, admitem que há actividades que têm que deixar de lado durante essa altura do mês. 41% confirmam que tiveram que faltar à escola no último ano devido à menstruação.

 

 
Activista Olga Lourenço, conselheira do projecto BeGirl em Angola, a realizar actividade física com os
meninos e meninas presentes, durante a sessão de formação sobre gestão menstrual, dirigida pelo UNFPA
e BeGirl na província de Luanda, Angola.
© UNFPA Angola / K. Karlos Cesar

Estas respostas vindas de todo o país, serão essenciais para o “Ser Menina em Angola” definir a sua estratégia para a próxima fase, que já está em marcha. Ainda este ano, deverá estender-se a mais três províncias - Cuanza Sul, Benguela e Moxico - com o Zaire e Malange na mira para uma próxima etapa. No total, pretende alcançar 2000 meninas e 2000 rapazes com materiais de higiene e gestão da saúde menstrual (4000 cuequinhas a meninas e 4000 smartcycle a meninas e meninos), utilizando o mesmo formato e método educativo da iniciativa piloto. Um novo grupo de formadores estará também a ser capacitado. 

O programa já provocou o interesse do Ministério da Juventude e Desportos para a manufactura de materiais reutilizáveis no nosso país. A maior disponibilidade de produtos recicláveis e de baixo custo dariam uma contribuição gigantesca à gestão da higiene e saúde menstrual de meninas e adolescentes, principalmente aquelas que se encontram em contextos sociais mais frágeis.​ Ao mesmo tempo, aposta-se na advocacia de alto nível para a isenção de impostos sobre produtos e materiais menstruais e estabelecimento de parcerias estratégicas para a inclusão da iniciativa dentro e fora das escolas.

Projecto Saúde Menstrual em Angola - principais resultados/ Menstrual Health in Angola - key results